Álbum de família e outras histórias de Maria Christina

Minha empatia pela Maria Christina não é de hoje, embora eu nunca tenha dito isto a ela (se há alguma dúvida, veja o novo background do blog). A exposição que abrirá no próximo dia 19 no Espaço Cultural do Banco da Amazônia vem realizar um desejo meu de algo semelhante. Deixo a quem tem na fotografia o seu fazer e competência.

Nossas referências se perdem com o tempo, no caminho natural da vida, mas se mantém na memória. As fotografias retém memórias fluidas, de quem ainda identifica seus personagens. Transformar memória em arte ou referências do coletivo são formas de mantê-las vivas além de nós mesmos.

Comentários

Maria disse…
Querida, querida! A exposição é pra você também. Obrigada pela honra de merecer palavras tão carinhosas. Bjs.
Tanto disse…
Quero vê-la. Mas não poderei ir hoje, na abertura... Irei depois, um dia qualquer, quando estiver andando pela Presidente Vargas saindo aqui do Banco. Obrigado pela indicação.

Postagens mais visitadas