Museus (memória + criatividade) = Mudança Social

Esse é o tema proposto pelo ICOM-UNESCO para as ações do Dia Internacional dos Museus, 18 de maio de 2013.

Por todo o mundo, os museus planejam suas ações para discussão e desenvolvimento de ações integradas durante um período denominado "Semana de Museus", que tem como coordenação nacional o IBRAM - Instituto Brasileiro de Museus, a partir da temática proposta pelo ICOM. Este ano é uma fórmula, como bem destacou a colega arquiteta Rosângela Brito (afeita às questões da área de exatas) em conversa esta semana, onde o que há dentro dos parênteses é a questão a ser equacionada antes de tudo. Os museus entram na sentença como aquele que multiplica essa soma da memória social com criatividade humana e, como resultado temos que a mudança social deve ser a consequência dessa interação entre sociedade e instituição. Essa compreensão da linguagem matemática é de suma importância para não acharmos que o dual memória+criatividade seja um atributo aposto aos museus!

Como no site do ICOM temos o texto-base em inglês, francês e espanhol, me antecipo na tradução para o português, para facilitar a discussão temática e melhor difusão, e aceito contribuições de eventuais falhas.

O tema do Dia Internacional dos Museus é proposto pelo Comitê Consultivo do ICOM e visa promover as questões de museu na sociedade.
A comunidade museu decidiu comemorar
Dia Internacional dos Museus 2013 em torno do tema: Museus (memória + criatividade) = Mudança Social
A riqueza do nosso patrimônio histórico, preservado e exibido por museus, juntamente com a inventividade e vitalidade que têm caracterizado a ação do setor de museus nos últimos anos, são onde a força das instituições museológicas está hoje. Conciliar a sua tradicional missão de conservação com a criatividade necessária para a sua revitalização e o desenvolvimento de seu público - esta é a evolução que os museus estão tentando realizar, com a forte convicção de que a sua presença e as ações podem transformar a sociedade de forma construtiva.
Este tema verdadeiramente otimista na forma de uma equação dinamicamente reúne vários conceitos que são essenciais para definir o que é hoje um museu, destacando o caráter universal dessas instituições e sua influência positiva na sociedade. Ele resume a complexidade das tarefas do museu e lembra que eles estão destinados a contribuir para o desenvolvimento da comunidade de forma conjunta com esta.
Para ajudar você a organizar o evento e desenvolver um programa de atividades ligadas com o tema, sugerimos que cinco sub-temas:

Estruturas informais de ensino
. Educação em museus de forma recreativa; que são locais de iniciação não-formal que propiciam o conhecimento através de meios continuamente renovadas.
Um espaço social a partir de seu território. Museus desempenham um papel na identidade e dinamismo de seu território. Através de sua ação, contribuem para promover o passado de seu território e construir o seu futuro.
Uma ligação intergeracional. Museus manter o relacionamento entre uma comunidade ea sua história viva. São espaços para o diálogo entre as gerações.
Exibindo herança de uma forma moderna. Museus têm sido capazes de aproveitar as oportunidades de comunicação e mediação oferecidas pelas novas mídias e de ter rompido a imagem antiquada que tiveram uma vez.
Práticas inovadoras para uma melhor conservação. Dispositivos de conservação estão melhorando e o museu está se tornando um verdadeiro laboratório onde as técnicas de trabalho continuam a evoluir.

Comentários

Monique Izoton disse…
Oi, eu trabalho em um museu e gostei muito do seu post! Estpu coletando ideias para uma exposição com esse tema e achei seu blog. Quero pedir duas coisas: o link do texto original no site da ICOM pois não encontrei; e queria saber por que tu consideras que memória e criatividade não são um aposto aos museus??
Obrigada, Monique. :)
Claudia disse…
Monique
O texto foi traduzido por mim do original que está grafado como link, lá no início da postagem.
Quanto ao dual memória+criatividade eu digo não serem apostos, quer dizer, algo que vem como anexo, acessório ao museu. Memória e criatividade devem ser intrínsecas à toda proposta museológica. A leitura como sentença matemática nos permite isso, pois a Mudança Social seria equivalente a um Museu-Memória + um Museu-Criatividade. Não mais seria o museu o receptáculo das memórias (pois assim não teria função além da mera reprodução do fazer expositivo, a partir de seu acervo), sendo necessário um repensar criativo constante, tanto da instituição quanto do fazer museal. Essa dinâmica garantiria a vida do museu e o exercício constante da busca por novos caminhos.
Não sei se me fiz entender agora.
Se lermos a sentença tendo (memória + criatividade) como aposto, veremos o museu, esse templo do "não toque", desatrelado da dinâmica do rememorar e do recriar.
Monique Izoton disse…
Oi Cláudia, tu te fez entender sim. Já que tu foi tão atenciosa, vou te incomodar mais um pouco hehe. Eu trabalho em Lajeado, Rio Grande do Sul, no Museu Regional do Livro. Nosso objetivo aqui é preservar livros antigos até a decada de 60 que tenham valor histórico ou literário aqui para a região, que é o Vale do Taquari (se quiser conhecer mais: http://www.univates.br/biblioteca/museu-regional-do-livro). Meu problema é que comecei este mês a trabalhar aqui e tenho que organizar uma exposição para a semana de museus, só que nunca fiz uma antes! Então, se não for pedir muito, queria umas ideias tuas de como eu posso relacionar esse tema museu (memória + criatividade) com o acervo que tenho para fazer uma exposição legal. Desde já agradeço! Abraços.
Monique Izoton disse…
Oi Cláudia, tu te fez entender sim! Já que tu foi tão atenciosa, vou te incomodar mais um pouco hehe.
Eu trabalho no Museu Regional do livro, em Lajeado, RS (se quiser conhecer mais: http://www.univates.br/biblioteca/museu-regional-do-livro). Comecei há poucas semanas e nunca fiz uma exposição. Por isso estou aflita com essa semana de museus e queria pedir uns conselhos teus sobre como posso relacionar o tema museu (memória+criatividade) com o acervo que tenho para fazer uma exposição legal. Obrigada. Abraço, Monique.
Claudia disse…
Monique, como é um museu regional, acho que seria legal buscar os autores locais ou as narrativas locais e fazer um diálogo no tempo, isto é, como essas narrativas, autores, artistas construíram a imagem de uma cidade (ou região) e verificar com a realidade atual.
Penso que cruzar fotografias atuais com trechos das narrativas, ver em que ponto a criação dos escritores se consolidou na realidade, ou o que mudou.
Que acha?
Monique Izoton disse…
Oi Cláudia
(desculpa por ter mandado duas vezes o mesmo comentário...)
A tua ideia é muito boa, já tinha pensando em algo contrastando passado e presente. Aqui no museu não temos livros de autores regionais, até porque recebemos doações do pessoal da região que sejam antes de 1960 e acho que nessa época nem havia impressões ou edições de livros por aqui. Mas vou buscar algo nesse sentido nos livros de história do RS, para ver como eram os municípios antigamente e hoje.
Obrigada pela colaboração!
Abraço.
Debora disse…
Olá Cláudia,

lendo o texto e os comentários, aconteceu uma identificação com a atual situação que vivo, rs.

Comecei a trabalhar no museu da minha cidade (Conselheiro Lafaiete - MG) há cerca de um mês e tenho que desenvolver uma programação com base nessa temática... Confesso estar perdida, rs.

Pensei em fazer uma busca em nosso acervo (o museu abriga também o arquivo), mas não sei por onde começar com relação ao tema...

Também cogitei uma sessão de filme comentado, trabalhando a questão de como a história local se desenvolve através de diferentes nuances... O filme, no caso, seria "Narradores de Javé", não sei se já ouviu falar. Apesar de tratar da tradição oral, poderia ser trabalhado de forma a traçar um paralelo da questão "história como um fator de mudança social"...

Enfim, são esboços que pensei, mas gostaria de uma opinião mais acurada a respeito. Qualquer ajuda será extremamente bem vinda!

Obrigada!

Postagens mais visitadas